A divulgação dos termos Gameful, Playful e Affordance na literatura científica (2006 - 2016)

Contenido principal del artículo

Autores/as

Washington Sales Do Monte, Dr. http://orcid.org/0000-0002-7858-6094

Robelius De-Bortoli, Dr. http://orcid.org/0000-0002-8316-630X

Ricardo Fontes Macedo, Dr. http://orcid.org/0000-0003-1231-6451

Resumen

O objetivo deste artigo é analisar a disseminação dos termos: Gameful, Playful e Affordance na produção científica registrada entre 2006 e 2016. A gamificação tem sido estudada por diversos pesquisadores em todo o mundo; A maioria das pesquisas procurou melhorar as aplicações da mecânica de jogo em contextos não necessariamente relacionados ao jogo. Os termos temáticos affordance, Playful (game process) e Gameful (contexto não relacionado ao jogo) são novos e, portanto, não estão disponíveis para uma tradução para o português; só foi descoberto que Playful pode ser usada para explicar processos relacionados à gamificação. A busca foi realizada no banco de dados Scopus e, para o seu desenvolvimento, foi implementada uma abordagem quantitativa exploratória descritiva, na qual foi aplicado um método de análise bibliométrica. Como resultado, identificou-se que, no período estudado, houve um aumento na disseminação desses conceitos, principalmente no período entre 2012 e 2016, que registrou a maior tendência de crescimento. As publicações estão concentradas nas subáreas das ciências sociais, artes, humanidades e informática, todas relacionadas ao estudo do comportamento humano. Constatou-se também que os Estados Unidos, o Reino Unido, o Canadá e Taiwan são os principais países que disseminam conhecimento em relação a esses conceitos (78% das publicações) e que os principais idiomas de publicação foram o inglês e o francês. Uma análise dos dados revelou uma multiplicidade de estudos para os países interessados, bem como uma interdisciplinaridade da gamificação e sua convergência em outras áreas.

Palabras clave:

Detalles del artículo

Citas

Alves, F. (2015). Gamification: Como criar experiências de aprendizagem engajadoras. São Paulo. DVS Editora.

Alves, L. (2005). Game over: jogos eletrônicos e violência. São Paulo: Futura.

Alves, L. (2013). Games e Educação: Desvendando o Labirinto Da Pesquisa. Revista da FAEEBA-Educação e Contemporaneidade, 22(40), 177-186.

Antunes, C. (2011). Jogos para a estimulação das múltiplas inteligências. Petrópolis. Editora Vozes.

Araújo, C. A. (2006). Bibliometria: evolução histórica e questões atuais. Em Questão, 12(1), 11-32.

Backes, L. (2013). Espaço de Convivência Digital virtual (ECODI): o acoplamento estrutural no processo de interação. ETD: Educação Temática Digital, 15(2), 337-355.

Biderman, M. T. C. (2006). O conhecimento, a terminologia e o dicionário. Ciência e Cultura, 58(2), 35-37.

Braga, G. M. (1973). Relações bibliométricas entre a frente de pesquisa (research front) e revisões da literatura: estudo aplicado à Ciência da Informação. Ciência da Informação, 2(1), 9-26.

Caillois, R. (2017). Os jogos e os homens: a máscara e a vertigem. Petrópolis. Editora Vozes.

Castro, G. G., Sanches, T. A., & Mastrocola, V. M. (2014). Consumo, entretenimento e gamification: breve discussão sobre a comunicação no aplicativo Foursquare. Revista Linguagem & Ensino, 17(3), 647-675.

Coelho, P. M. (2011). Um mapeamento do conceito de Jogo. Revista GEMInIS, 2(1), 251-261.

Chueke, G. V., & Amatucci, M. (2015). O que é bibliometria? Uma introdução ao fórum. Internext, 10(2), 1-5.

Cruz, C. H. B. (2000). A Universidade, Empresa e a Pesquisa que o país precisa. Parcerias Estratégicas. 5(8), 5-30.

De Morais, A. M., Sousa, A. S., Machado, L. S., & Moraes, R. M. (2010). Tomada de Decisão aplicada à Inteligência Artificial em Serious Games voltados para Saúde. Laboratório de Tecnologias para o Ensino Virtual e Estatıstica (LabTEVE). 1-11. Obtido de http://de.ufpb.br/~mds/Artigos_Web/ERMAC095.pdf

Deterding, S., Björk, S., Nacke, L. E., Dixon, D., & Lawley, E. (2013). Designing gamification: creating gameful and playful experiences. In: CHI'13 Extended Abstracts on Human Factors in Computing Systems. ACM. 3263-3266. Doi: 10.1145/2468356.2479662

Dichev, C., Dicheva, D., Angelova, G., & Agre, G. (2014). From Gamification to Gameful Design and Gameful Experience in Learning. Cybernetics and Information Technologies. 14(4). Obtido de https://goo.gl/P9QFxW

Donovan, T., & Garriott, R. (2010). Replay: The History of Video Games. Lewes: Yellow Ant. Kindle Edition.

Fleury, A., Nakano, D., & Cordeiro, J. D (2014). Mapeamento da Indústria Brasileira e Global de Jogos Digitais. São Paulo. NPGT/Escola Politécnica/USP. Obtido de https://goo.gl/kE7mA3.

Günther, H. (2003). Mobilidade e affordance como cerne dos estudos pessoa-ambiente. Estudos de Psicologia, 8(2), 273-280.

Hamari, J., Koivisto, J., & Sarsa, H. (2014). Does gamification work? - A literature review of empirical studies on gamification. In Proceedings of the 47th Annual Hawaii International Conference on System Sciences, IEEE COMPUTER SOCIETY PRESS HICSS. 3025-3034. DOI: 10.1109/HICSS.2014.377

Huizinga, J. (2012). Homo ludens. São Paulo: Perspectiva.

Huotari, K., & Hamari, J. (2017). A definition for gamification: anchoring gamification in the service marketing literature. Electronic Markets, 27(1), 21-31.

Ipiranga, A. S. R., de Freitas, A. A. F., & Paiva, T. A. (2010). O empreendedorismo acadêmico no contexto da interação universidade–empresa–governo. Cadernos EBAPE. BR, 8(4), 676-693

Jones, K. S. (2003). What is an affordance? Ecological psychology, 15(2), 107-114.

Khaleel, F. L., Wook, T., Meriam, T. S., & Ismail, A. (2016). Gamification elements for learning applications. International Journal on Advanced Science, Engineering and Information Technology, 6(6), 868-874.

Korhonen, H., Montola, M., & Arrasvuori, J. (2009). Understanding Playful User Experience through Digital Games. In International Conference on Designing Pleasurable Products and Interfaces, 13(16), 274-285.

Leta, J. (2011). Indicadores de desempenho, ciência brasileira e a cobertura das bases informacionais. Revista USP. Obtido de https://goo.gl/68hDE4.

Lévy, P. (1993). As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. Rio de Janeiro: Editora 34. Lucero, A., Karapanos, E., Arrasvuori, J., & Korhonen, H. (2014). Playful or gameful?: creating delightful user experiences. Interactions, 21(3), 34-39.

Machado, L. D. S., Moraes, R. M. D., Nunes, F. D. L. D. S., & Costa, R. M. E. M. D. (2011). Serious games based on virtual reality in medical education. Revista Brasileira de Educação Médica, 35(2), 254-262.

Maturana R. H., & Varela G. F. (1995). A árvore do conhecimento: as bases biológicas do entendimento humano. Campinas: Editorial Psy II.

Mendes, C. L. (2006). Jogos eletrônicos: diversão, poder e subjetivação. Campinas: Papirus Editora.

Misoczky, M. C. A. (2003). Da abordagem de sistemas abertos à complexidade: algumas reflexões sobre seus limites para compreender processos de interação social. Cadernos Ebape. br, 1(1), 01-17.

Norman, D. A. (1999). Affordance, conventions, and design. interactions,6(3), 38-43

Nyitray, K. J. (2011). William Alfred Higinbotham: Scientist, activist, and computer game pioneer. IEEE Annals of the History of Computing, 33(2), 96-101.

Poplin, A. (2012). Playful public participation in urban planning: A case study for online serious games. Computers, Environment and Urban Systems. 36(3), 195-206. Obtido de https://goo.gl/qvV8y

Ramos, D. K. (2015). Jogos eletrônicos e aprendizagem: aspectos motivacionais na percepção de jovens jogadores. Revista NUPEM, 7(12), 209-225.

Ribeiro, D. (1982). A universidade necessária. Em Aberto, 1(10), 55-58.

Saldanha, A. A. W., & Batista, J. R. M. (2009). A concepção do role-playing game (RPG) em jogadores sistemáticos. Psicologia: Ciência e Profissão, 29(4), 700-717.

Sasso de Lima, T. C., & Tamaso Mioto, R. C. (2007). Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. Revista Katálysis, 10, 37-45.

Severino, A. J. (2002). Educação e universidade: conhecimento e construção da cidadania Interface - Comunicação, Saúde, Educação. 6(10), 117-124.

Shernoff, D. J., Csikszentmihalyi, M., Schneider, B., & Shernoff, E. S. (2003). Student engagement in high school classrooms from the perspective of flow theory. School Psychology Quarterly. 18(2), 158-176.

Singer, P. (2001). A universidade no olho do furacão. Estudos avançados, 15(42), 305-316.

Stege, L., Van Lankveld, G., & Spronck, P. (2011). Serious games in education. International Journal of Computer Science in Sport, 10(1), 1-9.

Telles, H. V., & Alves, L. (2015). Narrativa, história e ficção: os history games como obras fronteiriças. Comunicação e Sociedade, 27, 303-317.

Todorov, J. C. (2012). Sobre uma definição de comportamento. Revista Perspectivas. 3(1), 032-037. Obtido de https://goo.gl/WmQsRD

Urbizagastegui, R. (2008). A produtividade dos autores sobre a Lei de Lotka. Ciência e Informação, 37(2), 87-102, obtido de https://goo.gl/4HvucM

Walz, S. P. & Deterding, S (2014). The Gameful World Approaches, Issues, Applications. North Carolina, EUA: MIT Press.

Winck, J., & Rossi, D. (2012). Roteiro e design da narrativa (de Games). Revista GEMInIS, 3(2), 210-218. Xu, F., Tian, F., Buhalis, D., Weber, J., & Zhang, H. (2016). Tourists as mobile gamers: Gamification for tourism marketing. Journal of Travel & Tourism Marketing, 33(8), 1124-1142.

Zhang, J., & Patel, V. L. (2006). Distributed cognition, representation, and affordance. Pragmatics & Cognition, 14(2), 333-341.

Ziman, J. (1979). Conhecimento público. São Paulo: Ed. Itiaia/EDUSP.

Licencia

Los autores que publican en la Revista Iberoamericana de Psicología están de acuerdo con los siguientes términos:

  1. Los autores conservan los derechos de autor y garantizan a la revista el derecho de ser la primera publicación del trabajo, al igual que licenciado bajo una Creative Commons Atribución-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional que permite a otros compartir el trabajo con un reconocimiento de la autoría, la mezcla o remezcla debe ser publicada bajo la misma licencia de publicación inicial, no permite la explotación comercial del mismo.
  2. Los conceptos y opiniones expresados en los artículos son responsabilidad exclusiva de los autores y no comprometen a la Corporación Universitaria Iberoamericana. Los contenidos de esta revista se distribuyen bajo licencia: Creative Commons Atribución-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.
  3. La Revista Iberoamericana de Psicología es una revista de acceso abierto, por lo que tanto el proceso editorial como los contenidos publicados están disponibles para todos los usuarios sin cargo alguno: la Revista no cobra ni por leer ni por publicar.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.